O mundo existe para acabar num livro. De ficção, talvez.

Um livro por dia, não sabe o bem

que lhe fazia.

Arte, fotografia, música, história, economia, literatura, jornalismo.

Ensaio? Ficção? Entrevista? Biografia? Textos sem género. Ou com vários.

Caminha, Bernard Shaw, Eduarda Neves, Fialho, James, Machado, Radiguet e outros.

Os livros são como as cerejas: vêm uns atrás dos outros. Um palimpsesto sem fim.

Livro finalista

do Prémio PEN Clube/Ensaio 2022